Acesso Rápido

Roupa de médico

Por dom Pedro José Conti | Bispo de Macapá

Gilberto era um médico que trabalhava numa ambulância. Nunca se preocupava muito com o seu modo de vestir. Queria usar roupas confortáveis que facilitassem o seu trabalho na hora de socorrer vítimas. Certo dia, uma senhora muito bem vestida foi em direção à ambulância e perguntou, com um ar de superioridade e grosseria, onde estava o médico.

– Boa tarde, senhora. Em que posso ser útil – respondeu Gilberto.

– Você é surdo? – replicou a mulher – Não ouviu, quero saber onde está o médico.

– Pois não, senhora, o médico sou eu, em que posso ser útil – voltou a repetir Gilberto.

– O quê? Você é o médico? Com esta roupa, eu não ia descobrir nunca.

– Desculpe, senhora, eu achei que estava procurando um médico e não um terno.

– Desculpe, doutor, mas assim vestido…

– Sabe que eu pensei a mesma coisa vendo a senhora. Uma mulher tão elegante, com belas roupas. Pensei que ia sorrir, nos cumprimentar e desejar bom dia a todos nós. Mas não foi assim. Tem que reconhecer mesmo que a roupa não diz muita coisa, não.

Uma pequena história para tentar responder a uma pergunta curiosa: o que João Batista viu em Jesus para declarar: – Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo? Com certeza muito mais que a roupa com a qual Jesus estava vestido. O que ele viu e entendeu de Jesus? Ele mesmo responde que viu descer e permanecer sobre ele o Espírito Santo. Por isso logo acrescenta: “ Este é o Filho de Deus!”.

No início deste breve Tempo Comum, antes da Quaresma, encontramos esta página do evangelho de João. No próximo domingo, voltaremos ao evangelho de Mateus. Sabemos que o quarto evangelho foi o último a ser escrito e apresenta os resultados de uma minuciosa reflexão teológica. Cada página é um concentrado de referências ao Antigo Testamento e, ao mesmo tempo, uma extraordinária novidade de formas para expressar o anúncio da fé cristã. É o evangelista João, por exemplo, que chama Jesus de “Palavra” que se fez carne, de Luz do mundo, de Caminho, Verdade e Vida. Essas e outras, são todas “palavras” que já apareciam nas Escrituras, como promessas, mas agora levadas ao cumprimento, à plenitude, na pessoa de Jesus, chamado de “Filho de Deus”.

Nas palavras pronunciadas por João Batista está, portanto, uma pequena e maravilhosa “síntese” da missão de Jesus. Finalmente, chegava aquele que ia “tirar o pecado do mundo”, capaz de vencer o mal e a morte, para devolver a esperança do perdão e da paz à humanidade pecadora. Para a Bíblia, antes dos pecados dos quais nós, de uma forma ou de uma outra, somos responsáveis, existe “o pecado do mundo” que é, afinal, a recusa do amor de Deus, a orgulhosa desobediência do ser humano que sempre cai na tentação de querer “ser como Deus”. Depois, no tempo de Jesus – que é agora o nosso tempo – “o pecado” é a rejeição do próprio Cristo, a Palavra-Luz: “Veio para o que era seu, mas os seus não a receberam (Jo1,11)”. “E a luz brilha nas trevas, e as trevas não a dominaram” (Jo1,5). Também, para o evangelista João, Jesus é o “novo” cordeiro da “nova” Páscoa, da “nova e eterna Aliança”. Na cruz se cumpre a Escritura: “nenhum dos seus ossos lhe será quebrado” (Jo 19,36), justamente como devia ser para o cordeiro na noite da saída do Egito e do seu memorial (Ex 12,10.46; Nm 9,12).

A conclusão é simples: mais uma vez somos convidados a aprimorar o nosso olhar a Jesus. Ao longo do ano litúrgico, iremos lembrar tantas circunstância e eventos da sua vida. Iremos ouvir de novo tantas das suas palavras. No entanto, a luta entre a luz e as trevas continua. Sabemos e acreditamos que a vitória final será da “luz verdadeira, que vindo ao mundo, a todos ilumina” (Jo1,9), mas a cada dia precisamos acolhê-la novamente e deixar que seja luz para as decisões que tomamos continuamente. Numa hora de dúvida a quem recorrer? A quem perambula na escuridão da existência, também se aparenta saber tudo e ter a solução para tudo? Cabe a cada um de nós escolher por qual “luz” orientar-se. Que seja, por enquanto, ao menos, um peregrinar “na penumbra da fé”. Melhor desconfiar das roupagens bonitas, elas enganam.

COMPARTILHE

Sobre santuario

Santuário Nossa Senhora de Fátima. Av. Almirante Barroso 1363 Cep.: 68900.040 - Santa Rita Contato: (96) 3222-0963/ (96) 99146-2700 Email: santuarionsfatima.mcp@hotmail.com

Comente

Seu email nao sera publicado. Campos marcados so obrigatorios *

*

x

Checado

Início de ano de 2021 no Santuário

Neste início de 2021, o domingo 03 de janeiro, no ...